29 de março de 2014

E agora?

À quase três meses solteira, num luto difícil de ultrapassar, sem esperança e com todo o ânimo no subsolo, vejo uma luz. É uma pequena chama, tão pequena como uma formiga. Mal a sinto, mas sei que ela está lá. Chama por mim, grita o meu nome, implora ajuda. Não sei. Não me oiço mais, não oiço mais ninguém a não ser aquela formiga de luz.
Acendo o meu pensativo cigarro e deixo o fumo sair naturalmente pelo nariz. Não existe mais nada neste momento para além de um cansaço gigante dentro de mim. As paredes brancas consomem-me aos poucos, friamente. Não me preocupo. Deixo-me levar.

10 comentários:

  1. Tu és forte e vais conseguir! Ergue a cabeça e sê feliz! :)

    ResponderEliminar
  2. Força! É bom ver-te a levantar-te... mereces melhor para ti!

    ResponderEliminar
  3. Quando deres por ti essa dor já passou. Força

    ResponderEliminar
  4. Muito difícil mesmo. Pelos vistos estamos na mesma situação. E magoa tanto

    ResponderEliminar
  5. Guarda em ti essa luzinha de esperança, porque o amor não morre! O amor, quando é amor, pode parecer morrer, pode parecer desaparecer com o tempo, mas fica sempre em nós! E se é para voltar, voltará. Só tens de pegar nessa luzinha e fazê-la brilhar cada vez mais:)

    ResponderEliminar
  6. sem dúvida... é preciso muita força*

    ResponderEliminar
  7. Ohh, tens de ser mais forte que isso querida! Não podes deixar que isso se apodere de ti! Sabes que são coisas que acontecem para nos ajudar a ser mais fortes e conseguir-nos fazer ser capazes de ultrapassar de cabeça erguida os obstáculos...as vezes até é melhor assim :x
    Muita força minha linda e qualquer coisa é só dizer ;)

    ResponderEliminar
  8. Olá, talvez isto pareça estranho, mas decidi mudar de blog, escrever mais sobre mim, achei que o anterior já não tinha muito a ver comigo, por isso decidi recomeçar novamente.
    Serei tua seguidora mas agora com este novo blog mas com a mesma conta :)

    novo blog: http://lilizisses-lc.blogspot.pt/

    ResponderEliminar

«O teu anjo da guarda fala pela boca daquela mulher, que não tem mais inteligência que a do coração, alumiada pelo seu amor.»