10 de novembro de 2012

Carta de uma panda chinesa.

Nunca pensei nisto. Aliás, nunca te quis escrever muito, e por isso tenho evitado pensar no teu nome enquanto mentalmente escrevo o que sinto. Mas é impossível, meu bem isto é insuportável. Não quero mais, não quero mais sofrer assim, estou a morrer por dentro, podre e sozinha. Porque tu, sim tu, me deixaste aqui sozinha. E eu só queria ser tua amiga, que olhasses para mim e tivesses orgulho no que me ando a tornar, e eu era feliz até ao segundo em que por outras palavras disseste que eu era tudo o que mais odiavas, sou o género de pessoa que não gostas, não suportas. Então, porquê? Diz-me porquê que avançamos tanto? Podias ter tudo de mim, eu podia ser a tua melhor amiga, a tua amiga especial, tudo o que quisesses. Se tivesse de deixar de comer para tu comeres eu deixava, sem olhar para mim duas vezes, tu estavas num patamar tão alto da minha vida, eu gosto tanto de ti, lembraste de eu te ter dito que te via como um confidente? É verdade, eu sentia que te podia contar os meus piores segredos, que ias ouvir e guardar para ti, mas depois de tudo, meu bem, depois disto tudo a minha única vontade é dar-te um murro na cara e chorar. Eu continuo aqui, um pouco mais distante, mas continuo, não te sei largar e não te quero largar. Não estou pronta, apesar de independente e madura, não estou pronta, para te deixar sair assim da minha vida porque depositei em ti muito do que sou, muito da minha história, muitos dos meus segredos para tu, deitares tudo ao lixo. Eu compreendo, não sou propriamente o teu sonho de pessoa, mas tu não és o meu e mesmo assim eu aceito-te e gosto da tua maneira de ser, desse teu lado meio rebelde inconsciente, um pouco responsável, com um sorriso e uns olhos lindos que, no fundo sofreram tanto como o meu sorriso e os meus olhos e sem nunca falar sobre isso, olhamos em frente e caminhamos. Gostei de caminhar contigo até hoje, era fácil compreendes? Contigo sorrir era fácil, falar era bom, rir era o melhor do mundo e agora... Agora tu simplesmente conseguiste aniquilar tudo, tudo o que havia em mim por ti. E agora? Ninguém me disse que ia ser fácil, mas para mim nunca nada é fácil. E só de pensar que o único sentimento que eu implorava era o orgulho que gostava que sentisses por mim, não era amor, eu não quero amor. Amor faz sofrer, amor dói, as pessoas não sabem amar; eu queria que a nossa amizade não fosse mais uma, não fosse descartavel. Tu fazias parte da minha casa, do que eu queria que fosse realmente eterno. Por favor meu bem, não desistas do que custou tanto a construir. Desejo-te como eterno no meu coração, na minha alma e na minha vida. 

36 comentários:

  1. Já pensaste em mostra-lhe todas estas tuas palavras? São tão sinceras que é impossível essa pessoa não pensar em tudo aquilo que significas para ela :)

    ResponderEliminar
  2. "e eu era feliz até ao segundo em que por outras palavras disseste que eu era tudo o que mais odiavas, sou o género de pessoa que não gostas, não suportas." foi muito muito rude. Desejo-te muita muita força princesa. Tudo passa, e se ele valer mesmo a pena ele vai ficar. Se ele partir então já não estava destinado. Eu sei que falar é muito mais facil, mas pronto. Muita muita força**

    ResponderEliminar
  3. http://followyourdreamsalways00.blogspot.pt/2012/11/desafio-paricipem.html

    participem ^:p

    ResponderEliminar
  4. Faria minha querida. Aliás, já fiz algo parecido no passado. Tinha uma melhor amiga da qual me afastei apesar de estudarmos as duas a 20 minutos uma da outra. Ao fim de vários meses sem saber nada dela fiz um texto no blogue [uma espécie de carta] e acabei por lhe enviar por mensagem do facebook. Não esperava resposta, mas ela surpreendeu-me :) E desde aí voltámos a falar mais, não tanto como no passado, mas mais do que já chegámos a falar! Não tens nada a perder, sabes? E ao menos irás sentir-te leve por lhe dizeres tudo aquilo que pensas e sentes.

    ResponderEliminar
  5. muito obrigada! o teu blog é maravilhoso

    ResponderEliminar
  6. oh muito obrigada! sigo-te também :)
    quanto a este texto, já tentaste dizer isso tudo à pessoa em causa? talvez não se tenha apercebido do quanto significa para ti, talvez apenas não tenha essa noção e se lhe disseres talvez tudo melhore *

    ResponderEliminar
  7. é uma profissão de coragem em todos os sentidos: porque tem de se abdicar de muita coisa pelo que se gosta :)

    ResponderEliminar
  8. ele continua com o telemovel ligado, e isso deixa-me na incerteza se será mesmo a mãe q o tem....

    ResponderEliminar
  9. Não há complicação que não tenha solução

    ResponderEliminar
  10. muito obrigada doce. e muita força, espero que encontrem a harmonia e paz entre vocês princesa

    ResponderEliminar
  11. Não tens nada de agradecer, li com todo o gosto :)
    " Não te sei largar e não te quero largar. " lindo, como sempre. Mas triste. E não te quero ver assim. Não dês tanto de ti a quem não o merece, a quem te faz sofrer assim.

    ResponderEliminar
  12. tou a torcer para que fiquem juntos... adorei o texto*

    ResponderEliminar

  13. Bem, estavel, nenhuma destas palavras fazem parte da minha vida (:

    ResponderEliminar
  14. Magoa-me estares assim nesse estado. Muita força, tu és linda e olha, o meu coração está cheio dele <3

    ResponderEliminar
  15. Obrigada, nem sei se fiz bem em tê-la se não <3

    ResponderEliminar
  16. Ainda bem então, mas é verdade :)

    ResponderEliminar
  17. muito bom mesmo!
    meu novo blogue: http://channeldiamonds.blogspot.pt/
    xoxo,Inês

    ResponderEliminar
  18. Ainda bem que correu tudo minha querida, fico contente :) Não somos tão chegadas quanto eu gostaria, mas pelo menos já não passamos meses sem falar, o que é bom :) Quem sabe um dia não recupero a amizade que tivemos. A esperança é a última a morrer! Sempre que precisares de alguém para desabafar estarei por aqui. Beijinhos *

    ResponderEliminar
  19. Adoro este texto princesa, espero que esteja tudo bem ou que esteja a ficar.

    ResponderEliminar

«O teu anjo da guarda fala pela boca daquela mulher, que não tem mais inteligência que a do coração, alumiada pelo seu amor.»